Casal Wanderlust

Conhecendo o Vale Sagrado dos Incas!

O Vale Sagrado é composto por sítios arqueológicos com construções Incas e pré-incas. Junto com a cidade de Cusco e a antiga cidade de Machu Picchu formavam o coração deste Império andino.

São locais místicos que despertam muita curiosidade em seus visitantes, seja pela perfeição e engenhosidade de suas construções ou mesmo pela energia que muitas pessoas dizem sentir ao visita-los.

Na ordem: Tipón, Salineras de Maras, Chinchero, Pisaq, Saqsayhuaman e Tambomachay

Como visitar o Vale Sagrado

Basicamente contratando um tour com uma agência e com acompanhamento de um guia. Até dá para ir de ônibus ou táxi de maneira independente, mas sem a orientação de um guia a única coisa que você vai poder dizer é que viu um amontoado gigante de pedras…rs.

Quanto custa

Tem excursões saindo de Cusco e elas custam em média USD 20.00 por pessoa, com duração de um dia. Normalmente incluem o almoço e costumam sair as 8h e voltar por volta de 19h. São diversas as agências que vendem os passeios e também são diversos os roteiros.

Como nós estávamos fazendo uma viagem de carro e queríamos conhecer todos os sítios do Vale Sagrado, nós contratamos um guia por USD 70.00 para nos acompanhar por dois dias.

Tenha o Boleto Turístico!

Para poder entrar nos sítios arqueológicos você precisará de um Boleto Turístico custa em média USD 21.00 com validade de 1 dia e USD 39.00 com validade de 10 dias. Nós fizemos um post explicando tudinho sobre o Boleto, clique aqui para saber mais.

VALE SAGRADO SUL

O chamado Vale Sagrado Sul é composto por Tipón, Pikillaqta e Andahuaylillas. Não é um dos roteiros mais vendidos pelas agências, mas nós achamos que valeu super a pena conhecer!

TIPÓN

Tipón é uma jóia da engenharia Inca. É um dos sítios arqueológicos que se destacam pela engenhosidade no que diz respeito às construções hidráulicas. Os Incas criaram canais, praças, aquedutos e fontes de água que ainda funcionam como faziam há 450 anos!

Os terraços (esses degraus que podemos ver na foto) funcionavam como locais para experimentos agrícolas. Especialmente para desenvolvimento de sementes de milho.

Tipón

Fontes de água em Tipón

PIKILLAQTA

Pikillaqta era um importante centro da cultura Wari, pré-inca. Por isso seu estilo de construção difere bastante dos demais sítios visitados no Vale Sagrado. Aqui as construções de pedra não tem aquele aspecto milimetricamente perfeito das construções Incas. É considerado o sítio arqueológico de construção pré-inca mais bem conservado de todo o Peru.

Como Tipón e Pikillaqta são destinos que normalmente ficam de fora das excursões oferecidas pelas agências, prepare-se para encontrar o local bem tranquilo e calmo. O que é uma maravilha! Olhe só:

Pikillaqta

ANDAHUAYLILLAS

Esta cidadezinha de nome difícil é famosa pela igreja de San Pedro de Andahuaylillas, que é considerada a “Capela Sistina” da América. De fato seu interior é bem bonito, e ali estão dois órgãos que são considerados os mais antigos do nosso continente.

A entrada não está incluída no Boleto Turístico e custa USD 4.50. Ao final da visita você ganha um CD com fotos e demais informações sobre esta e outras igrejas da Rota Barroco Andino.

Créditos da foto: http://rutadelbarrocoandino.com/en/la-ruta/san-pedro-apostol-de-andahuaylillas/

MUSEO DE RITOS ANDINOS

Do ladinho da Igreja de San Pedro de Andahuaylillas está o Museu de Ritos Andinos. Famoso por abrigar a múmia de um E.T.

Sim! É como eles apresentam esse esqueleto da primeira foto abaixo, no canto esquerdo:

Porém, antropólogos já desmentiram a história..hehê. Esse esqueleto é de uma criança da época pré-inca. Os Incas realizavam esse processo de deformação craniana, como podemos ver na segunda foto no canto superior direito.

O museu também ilustra o processo de produção da cerveja de milho feita pelos Incas. Você pode provar algumas opções feitas de diferentes tipo de milho. Não tem gosto parecido com cerveja, mas vale a pena experimentar 🍺

O VALE SAGRADO

Agora que já falamos sobre o chamado Vale Sagrado Sul, vamos listar os demais sítios que compõem esse famoso parque arqueológico do Peru.

PISAQ

A primeira coisa que ganhará a sua atenção em Pisac são as enormes terraças, esses degraus gigantes que, assim como em Tipón, eram utilizados para experimentos e desenvolvimento da agricultura.

Pisac Vale Sagrado

Acredita-se que Pisac inicialmente foi utilizada como um posto militar para proteção contra invasores, e depois tornou-se um centro cerimonial e residencial.

A segunda parte que chamará a sua atenção são esses buracos nas paredes da montanha. Que na verdade eram cemitérios utilizados pelos Incas. Os mortos eram mumificados e sepultados em posição fetal, pois eles acreditavam que deveriam retornar à terra na mesma posição em que foram gerados nos ventres de suas mães.

Os buracos onde os Incas eram enterrados.

TAMBOMACHAY

Os historiadores não concordam muito sobre o verdadeiro propósito de Tambomachay. Enquanto alguns acreditam que era um santuário Inca para a água, outros pensam que era um posto militar guardando a entrada para Cusco.

Assim como em Tipón, o engenhoso sistema de canais que transporta água funciona perfeitamente até os dias de hoje!

PUKA PUKARA

Reza a lenda que quando os Incas se preparavam para visitar os banhos de Tambomachay eles se hospedavam em Puka Pukara, que servia também de fortaleza. Dizem que existia um acesso direto para Tambomachay, embora isso não tenha sido provado.

Puka Pukara

Q’ENQO

É um dos menores sítios do Vale Sagrado e dizem que ali se realizavam cerimônias religiosas importantes de culto à fertilidade e também processos de mumificação.  Lembra do cemitério em Pisaq? As múmias eram preparadas em Q’enqo.

O nome Q’enqo significa labirinto, e era nos labirintos que o processo de mumificação era feito, especialmente pela temperatura mais amena dentro deles.

Q’enqo

A última foto no canto inferior direito é a pedra sagrada, onde eram realizados sacrifícios! 😳

SAQSAYHUAMAN

Nome difícil, né? Para facilitar nossas vidas o nosso guia nos disse que se falássemos “sexy woman“, em inglês, sairia igual….hahaha. E não é que facilitou mesmo?

O sítio é enorme e o que mais impressiona são as pedras gigantes utilizadas em sua construção! E o mais intrigante: as pedras ali utilizadas foram retiradas de outros locais, a quilômetros de distância! Como foi feito esse transporte permanece um mistério até hoje…

Saqsayhuaman

Saqsayhuaman é um templo Inca inacabado. Percorrendo o templo nota-se bem alguns detalhes que realmente comprovam que os trabalhos foram abandonados no meio do caminho.

CHINCHERO

Foi assim, debaixo de muita chuva, que conhecemos Chinchero.

Chinchero estava na rota direta que dava acesso para Machu Picchu, nos tempos Incas. Foi um importante centro urbano e aqui, mais uma vez, podemos observar as terraças utilizadas para agricultura. No mais, as atrações são a igreja e a praça, das quais não temos fotos devido a chuva…rs 😞

Cinchero

MORAY

Um campo espacial para pouso de aeronaves alienígenas…. Calma! É brincadeira. Mas parece, não parece?

Não é à toa que o Peru conquistou um lugar especial na gastronomia mundial! Adivinha qual é a hipótese mais aceita para estes terraços circulares que formam o local? Sim, experimentos agrícolas! Mas aqui com enfoque nas variações climáticas.

O mais impressionante é que mesmo parecendo uma tigela redonda, o local tem um sistema de drenagem tão perfeito que nunca inunda. Pode chover a vontade! Aliás, nesse dia choveu mesmo.

OLLANTAYTAMBO

Um dos melhores exemplos de planejamento urbano dos Incas e em melhor estado de conservação também. Em Ollantaytambo os arqueólogos e historiadores fizeram muitas descobertas sobre a forma que os Incas construíam as suas cidades.

A pedreira de onde extraíam a rocha ficava no alto da montanha e é impossível não se perguntar COMO eles transportavam pedras absurdamente gigantes para usar em suas construções!

De extrema importância, Ollataytambo foi a única fortaleza de onde os Incas foram capazes de resistir a invasão da cavalaria espanhola, por pouco tempo, mas resistiram.

 

No nosso grupo todos acharam que Ollataytambo só perde em beleza para Machu Picchu, e olhe lá! Eu, Camila, ainda fico com o aeroporto de discos voadores, digo, Moray…rs.

EXTRAS

Lugares incríveis no caminho entre os sítios arqueológicos do Vale Sagrado e que vale a pena a visitação.

SALINERAS DE MARAS

Esta atração também não está incluída no boleto turístico. O ticket custa USD 3.00.

As Salineras de Maras são mais de 3 mil piscinas de sal que são formadas por água quente e salgadaaaaa que vem das montanhas. A água vem do desgelo das cordilheiras, passa por dentro das montanhas “carregando” o sal ali contido e chega salgadinha nas Salineras.

Mesmo tendo sido construídas por civilizações pré-incas, a extração do sal ainda é feita do mesmo jeito, através de um processo simples de evaporação.

LAGUNA DE HUACARPAY

Um ponto extra no roteiro. Nós passamos por ela de carro em um momento em que não havia vento. Veja que belo espelho d’água! Em Pikillaqta há um mirante onde você também poderá observa-la.

Como nós mencionamos, nós contratamos um guia para nos acompanhar nesses dois dias de visita ao Vale Sagrado. Nosso guia foi o Omar, segue aqui o link para o Facebook dele, caso você queira contata-lo 😉

Aproveite para ler também:

➡️  Uma viagem de carro de Porto Velho até Cusco;

➡️  Onde comer bem e barato em Cusco;

➡️  Tudo sobre o boleto turístico de Cusco;

➡️  Tudo sobre Machu Picchu.

 

10 comentários sobre “Conhecendo o Vale Sagrado dos Incas!

  1. cwrgutierrez

    Tenho muita vontade de conhecer o Peru e o Vale Sagrado dos Incas, pena que agora estou morando longe dai.

Deixe uma resposta