Casal Wanderlust

Kolmanskop, a cidade fantasma da Namíbia

A Namíbia é um país imenso e repleto de atrações para todos os gostos. Desde cânions, desertos, vida selvagem, incluindo praias e lagos. São muitos os atrativos que o país tem a oferecer. Em nossa viagem de 15 dias pela Namíbia nós aproveitamos para conhecer a cidade fantasma de Kolmanskop, que fica pertinho de Luderitz.

Veja nesse post o relato completo que fizemos sobre Kolmanskop, incluindo valores, fotos, vídeos e uma breve história sobre esta, que foi uma das cidades mais ricas do mundo na década de 20.

Kolmanskop na Namíbia

A cidade fantasma de Kolmanskop, na Namíbia

História

Em 1908, Zacherias Lewala, um funcionário ferroviário que limpava a areia dos trilhos, encontrou algumas pedrinhas interessantes pelo caminho, em um dia comum de trabalho. Ele levou-as para August Stauch, seu inspetor, que logo pediu aos demais trabalhadores que trouxessem todos os objetos incomuns que encontrassem nas proximidades. Assim que ele reuniu um número considerável de pedras, levou-as até Luderitz para obter a opinião de um especialista. E não é que as tais pedras eram diamantes? 😱

Quando os rumores da descoberta, no que era então conhecido como German South-West Africa (África Alemã do Sudoeste), chegaram à Cape Town, ninguém levou fé, acharam que o boato era bom demais para ser verdade. Aliás, esta região inóspita e desolada, do que hoje é a Namíbia, foi oferecida ao governo do Cabo em 1885, mas eles recusaram educadamente. Então é claro que em um primeiro momento ninguém acreditou que pedras de diamantes teriam sido encontradas por ali. Eita povo incrédulo! rs

Exterior de um dos prédios abandonados de Kolmanskop

Interior de um dos prédios abandonados de Kolmanskop

O início da exploração

Os depósitos de diamantes mais ricos do mundo foram encontrados nesta área. Rapidamente todo o terreno disponível nas proximidades de Luderitz foi bloqueado e reivindicado. Trabalhadores organizados em linhas de busca corriam para todos os lados carregando frascos de geléia. Os diamantes eram retirados do chão, na superfície, sem necessidade de escavação. E desta forma os frascos se encheram rapidamente.

Uma das primeiras descobertas foi feita logo antes do anoitecer, e a corrida continuou durante a noite, com o vislumbre de pedras identificáveis ​​pelo luar.

O surgimento da cidade

Kolmanskop surgiu do boom dos diamantes. A região era administrada pela Alemanha no início do século e a cidade refletiu isso em seu caráter.

No início os alemães disseram que somente depois de terem terminado de construir o bar (nos identificamos muito com esta parte) e o boliche, é que eles começariam a construir suas casas.

O boliche, uma das áreas de lazer da população que habitava a cidade

O apogeu

Em 1912, a área produziu um milhão de quilates ou 11,7% da produção mundial de diamantes. Tal riqueza significava que, apesar do clima severo e do isolamento, os mineiros podiam pagar todo luxo europeu possível.

A cidade tinha um açougue local, padaria e correios. Uma fábrica de gelo foi estabelecida para fazer blocos usados em resfriadores de alimentos (como geladeiras), bem como para fabricar a limonada que era servida para toda a cidade. Todas as casas recebiam gratuitamente, todos os dias, água potável e uma barra de gelo.

As ruínas da antiga fábrica de gelo

Casas elaboradas foram construídas para acomodar os arquitetos, professores, médicos e gerentes de mineração da cidade. Um hospital grande empregava dois médicos alemães. Um dos quais era bastante popular por prescrever seus pacientes um tônico noturno de sanduíches de caviar e champanhe. Imagine só!?

A primeira máquina de raio-X do sul da África foi instalada em Kolmankop. Mas seu uso não era necessariamente médico, e sim para averiguar se os trabalhadores não estavam carregando diamantes em seus corpos.

Para os habitantes também não faltavam entretenimento. Um especialista alemão foi trazido para projetar e supervisionar a construção de um magnífico salão, com acústica excelente. A mina mesmo pagou para algumas companhias de ópera serem enviadas da Europa para se apresentarem ali. O salão também foi usado pela orquestra local, grupo de teatro e equipe de ginástica.

Em seu apogeu, a cidade parecia muito diferente. A água doce era importada de Cape Town, em navios, e depois bombeada para tanques de armazenamento. A água cultivava jardins exuberantes com gramados bem cuidados, camas de rosa e eucaliptos.

O declínio

A Primeira Guerra Mundial interrompeu as operações de mineração. A retomada da mineração após a guerra levou ao lento esgotamento dos depósitos. No início dos anos 30, a área estava em declínio. Novas jazidas mais lucrativas foram encontradas no sul do país. E muitos dos habitantes da cidade se mudaram para lá, deixando suas casas e suas posses para trás. Kolmanskop até que manteve certa importância como depósito de mantimentos para outras operações de mineração. Este tempo também passou, uma vez que tornou-se mais fácil trazer suprimentos da África do Sul. As últimas três famílias finalmente deixaram a cidade em 1956.

As areias do deserto que eram varridas todas as manhãs agora se juntam sem obstáculos. O deserto invade os edifícios, preenchendo gradualmente os aposentos vazios. As casas ainda estão em pé, mas algumas estão sendo sustentadas pelas dunas. Os telhados estão gradualmente sendo descobertos e os vidros estraçalhados com o avançar do tempo.

Kolmanskop hoje

Um museu foi estabelecido em 1980 e exibe instrumentos de mineração antigos e uma extensa coleção de fotografias dos dias de glória da cidade. Alguns prédios, assim como o salão de festas e o boliche, foram restaurados para visitação.

As visitas podem ser feitas todos os dias das 8h às 13h. Sendo que as visitas guiadas, em inglês e alemão, ocorrem às 9h30m e às 11h nos dias de semana e às 10h nos domingos e feriados.

Entrada de Kolmanskop

Vídeo

Quanto Custa

💰  Valor para visitar Kolmanskop é de NAD 85,00 ou USD 6,30 por pessoa.  E neste valor está incluída a visita guiada.

Ainda hoje poucas informações sobre Namíbia estão disponíveis na internet. Por isso escrevemos essa sequência de posts sobre as nossas andanças pelo país. Esperamos que nossos relatos possam ajudar outros viajantes 😊

🌎  Acompanhe nossa viagem de volta ao mundo através de nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/casalwanderlustoficial

Deixe uma resposta