Casal Wanderlust

Mochilão: Roteiro de 15 dias pela Namíbia

Veja nesse post nosso roteiro de 15 dias pela Namíbia, incluindo os lugares que visitamos, onde nos hospedamos e todos os custos desta viagem.

Nós passamos 15 dias viajando pelo país. Percorremos mais de 7.000 km em um carro não muito apropriado, mas que nos rendeu boas histórias, lindas fotos e uma super economia 😃

Deadvlei, um dos destinos mais fotografados da Namíbia

Dia 1 – Quiver Tree Forest

Nossa primeira parada em nosso roteiro de 15 dias pela Namíbia foi na Quiver Tree Forest.

Pegamos o carro na locadora Spes Bona, passamos no supermercado para comprar mantimentos e deixamos Windhoek às 10h30m. Dirigimos 5 horas pela estrada B1 até Keetmanshoop. Depois pegamos a estrada C17 até o Quiver Tree Forest Rest Camp. Montamos nossa barraca e vimos o pôr do sol iluminando as Quiver Trees. 

Detalhe: logo na chegada no acampamento nós atolamos o Uva (apelido carinhoso do carro roxo que alugamos) em um buraco. Bela maneira de começar uma viagem, não!?

Roteiro de 15 dias pela Namíbia

Quiver Tree Forest

A Quiver Tree ou “Kokerboom” é uma das plantas mais interessantes e características das regiões mais quentes e secas da Namíbia e do Noroeste da Província do Cabo na África do Sul. Na verdade, a Quiver Tree não é uma árvore, é uma planta da família das aloes, cujo nome botânico é Aloe Dichotoma. 

Quanto Custa

Valor para visitar a floresta NAD 40,00 ou USD 3,00 por pessoa.

Onde nos Hospedamos

Dormimos no Quiver Tree Forest Camp. Pagamos NAD 130,00 ou USD 9,80 por pessoa, para acampar. Contato do Quiver Tree Forest Camp: +264 837683421.

RESUMO DO DIA: um atolamento 😁

Dia 2 – Fish River Canyon

Desmontamos a barraca e seguimos pela C17 até o Giant’s Playground, que ficava a 4 km de onde estávamos acampados. O Giant’s Playground nada mais é do que um amontoado de pedras. Mas o contraste da vegetação seca com as pedras avermelhadas forma uma paisagem muito bonita de se ver.

Quanto Custa

Valor para visitar o Giant’s Playground NAD 40,00 ou USD 3,00 por pessoa.

Giant’s Playground

Voltamos para a cidade de Keetmanshoop, abastecemos o Uva, seguimos pela B4 (estrada asfaltada) e depois de alguns minutos já entramos na C12 (estrada de terra). Depois de 58 km pegamos a C37 e continuamos seguindo as placas que indicavam nosso destino final, o Fish River Canyon, um de nossos destinos mais aguardados nesse roteiro de 15 dias pela Namíbia.

Roteiro de 15 dias pela Namíbia

Fish River Canyon

Obs.: os últimos 10 km para o mirante do Fish River Canyon são os piores para quem estiver dirigindo um carro pequeno. São 10 km de estrada cheia de costelinhas (deformações). Foi graças a esse trecho da estrada que nosso pneu estourou 😬

Quanto Custa

Para visitar o ponto de observação do Fish River Canyon se faz necessário o pagamento de uma taxa de NAD 80,00 ou USD 6,00 por pessoa + NAD 10,00 ou USD 0,75 referente a taxa para o carro.

Deste ponto nós dirigimos mais 450 km até Luderitz. Mas no meio do caminho paramos para trocar o pneu que explodiu, praticamente 😳

Neste dia dirigimos quase que o trajeto todo pelas estradas C12 e C37, que são estradas de terra. O Uva (o carro roxo que alugamos) ficou marrom.

Onde nos Hospedamos

Dormimos no Luderitz Backpackers. Pagamos NAD 350,00 ou USD 26,00 por um quarto de casal com banheiro privativo. Como nós chegamos tarde, não tínhamos condições de montar a barraca. Contato do Luderitz Backpackers: +264 812612174

RESUMO DO DIA: um pneu estraçalhado 😁

Dia 3 – Cidade Fantasma de Kolmanskop

Dirigimos de Luderitz até a cidade fantasma de Kolmanskop, que fica apenas a 12 km de distância. Chegamos às 9h30 com o intuito de pegar o tour guiado das 10h. O tour tem duração de uma hora e nós achamos super interessante para entender melhor a história do local.

Hospital abandonado em Kolmanskop

A cidade foi uma das mais ricas do mundo em 1920, após a descoberta de pedras de diamante no local. Contou com a primeira máquina de raio X do Sul do Continente Africano. Importava água potável de Cape Town. Teve o primeiro trem da região, construído em tempo recorde.

Muito dinheiro circulou por ali, o que fez com que o lugar se transformasse em uma espécie de colônia de férias alemã. Cinco milhões de quilates de diamantes foram extraídos em Kolmanskop nos primeiros seis anos de exploração. Porém, depois que jazidas mais lucrativas foram descobertas mais ao sul do país, a cidade foi sendo aos poucos abandonada. As últimas famílias deixaram o local em 1956.

Quanto Custa

A visita à cidade fantasma de Kolmanskop custa NAD 85,00 ou USD 6,40 por pessoa. E o tour guiado está incluído nesse valor.

Depois dirigimos 340 km até Keetmanshoop.

Onde nos Hospedamos

Dormimos no Garas Rest Camp. Pagamos NAD 120,00 ou USD 9,00 por pessoa, para acampar. Contato do Garas Rest Camp: +264 814913863.

RESUMO DO DIA: 400 km dirigidos sem step 😐

Dia 4 – Sesriem Canyon

Acordamos bem cedinho, compramos um pneu novo para o Uva (prejuízo de USD 71,00) e pegamos a estrada rumo à Sossusvlei, nosso destino mais esperado nesse roteiro de 15 dias pela Namíbia.

Foram 200 km dirigidos pela C19 em quase 4 horas. Fomos beeeem devagarinho porque o Uva chacoalhava demais nas deformações da estrada de terra, sem contar as pedras e pedregulhos soltos pelo caminho 😬

Chegamos no alojamento principal de Sossusvlei às 16h. A tempo de conseguirmos uma vaga no camping (já que não tínhamos feito reserva), de visitarmos o Sesriem Canyon e assistirmos ao pôr do sol do alto da Duna Elim.

Sesriem Canyon

Quanto Custa

Para entrar no parque Sesriem/Sossusvlei é preciso pagar uma taxa de NAD 80,00 ou USD 6,00 por pessoa mais NAD 10,00 ou USD 0,75 referente ao carro.

Onde nos Hospedamos

Dormimos no camping do próprio parque, o Sesriem Camping Site. Pagamos NAD 200,00 ou USD 14,00 por pessoa, para acampar no camping sem energia elétrica, pois os demais estavam lotados! Contato do Sesriem Camping Site: +264 63293652.

Dica: se você quiser assistir ao pôr do sol na Duna Elim e o nascer do sol na Duna 45, obrigatoriamente você terá de dormir no camping do parque, já que os portões se fecham às 18h30 e abrem somente ás 7h30.

RESUMO DO DIA: prejuízo de USD 71,00 – pneu novo para o Uva 💰

Dia 5 – Sossusvlei e Deadvlei

O portão de acesso à Sossusvlei (não confunda com o portão do parque) abre às 6h da manhã, e nós acordamos às 5h30 para assistirmos ao nascer do sol do alto da Duna 45.

O trecho de 60 km que liga o Camping Site até Sossusvlei é todo asfaltado, um alívio para quem dirigiu os 200 km por estradas de terra para chegar até aqui 😰

Da Duna 45 nós seguimos até Sossusvlei. O último trecho de 5 km para chegar até lá só é acessível com veículos 4×4. Se você, assim como nós, estiver com um carro 2×4 você terá duas opções para chegar até lá:

  1. ir caminhando;
  2. pegar o shuttle oferecido pelo parque, que custa NAD 150,00 ou USD 11,00 por pessoa.

Nós fomos caminhando, mas acabamos pegamos uma carona no caminho.

Chegamos na Duna Big Dad bem cedo, umas 8h. Não subimos a Duna diretamente, nós a contornamos pelo lado esquerdo, passando por Sossusvlei. O que também nos rendeu uma super caminhada de quase 2h ladeira acima. Como fomos bem devagarinho acabamos chegando em Deadvlei às 11h, com o sol à pino e queimando a cabeça com força total 😰

O lugar é surreal!!! Já tínhamos lido relatos de que a paisagem era “dramática”, mas com todo respeito, a palavra que achamos para melhor descrever Deadvlei é “surreal” mesmo.

O contraste das árvores mortas, com o solo claro, o laranja das dunas e o azul do céu é um paraíso para os amantes de lindas paisagem e para os fotógrafos em geral.

Nós ficamos lá até meio-dia, quando a areia já estava queimando nossos pés. Corremos para tentar pegar outra carona, e advinha!? Conseguimos voltar com o mesmo casal que tinha nos levado na ida 🙏

Dicas

  • Tente chegar na Big Dad o mais cedo possível;
  • Leve no mínimo 1,5 litros de água por pessoa;
  • Abuse do protetor solar;
  • Leve um chapéu ou boné;
  • Subir a Duna de chinelo ou descalço é bem melhor do que de bota ou tênis;
  • Mas para voltar, se o sol já estiver quente, é melhor estar calçando bota ou tênis, pois a areia pode queimar os pés, mesmo de chinelo;
  • O ideal é ir de bota ou tênis e levar um chinelo na mochila;
  • Se não quiser subir a Big Dead para chegar até o Deadvlei, basta seguir o caminho à direita da Duna. São apenas 15 minutinhos de caminhada; 
  • O visual do alto da Big Dead é lindo demais:

Foto panorâmica do alto da Big Daddy. Sossusvlei é essa área mais branca na foto

Deixamos o parque às 14h e fomos para um camping a 20 km no sentido de Windhoek, o Little Sossus Camping. Nós mudamos para esse acampamento pois era mais barato que o camping do parque e se continuássemos no parque nós teríamos de pagar novamente o valor da diária de acesso ao local.

Onde nos Hospedamos

Dormimos no Little Sossus Camping. Pagamos NAD 150,00 ou USD 11,00 por pessoa, para acampar. E o lugar tinha até piscina.

RESUMO DO DIA: as paisagens mais lindas da viagem!!!

Dia 6 – Windhoek

Acordamos bem cedinho e seguimos por 130 km de estrada de terra até Maltahohe pela C19. E depois dirigimos mais 320 km até Windhoek. 

Obs.: Nós só voltamos para Windhoek porque o caminho mais curto até Swakopmund era de estrada de terra e em condições terríveis para o Uva.

RESUMO DO DIA: o dia inteiro na estrada 😕

Dia 7 – Swakopmund

Depois de dormirmos em uma cama limpinha e lavarmos nossas roupas encardidas de areia, hoje foi dia de deixar Windhoek. Seguimos pela B1 no sentindo de Okahandja até pegarmos a B2 para Swakopmund, a 315 km de distância.

Obs.: em Okahandja a B1 se converte em B2 – estrada toda de asfalto, um alívio para o Uva!

Onde nos Hospedamos

Dormimos no Sophia Dale Base Camp. Pagamos NAD 130,00 ou USD 9,50 por pessoa, para acampar.

RESUMO DO DIA: dormimos no chão duro porque nosso colchão inflável furou no meio da noite 😬

Dia 8 – Walvis Bay

Depois de comprarmos um colchão novo nós seguimos até Walvis Bay, que fica a 30 km de Swakopmund. Logo na chegada em Walvis Bay tem um centro de informações turísticas onde paramos para pegar algumas dicas sobre o que fazer na cidade. Vimos muitos flamingos na Walvis Bay Lagoon e vimos até golfinhos nadando bem pertinho da orla! Depois passamos pelo Waterfront, pelo centrinho da cidade e fomos até a Duna 7, uma das principais atrações do local.

Walvis Bay Lagoon

Onde nos Hospedamos

Dormimos no Sophia Dale Base Camp. Pagamos NAD 130,00 ou USD 9,50 por pessoa, para acampar.

RESUMO DO DIA: prejuízo de USD 19,00 – novo colchão inflável 😒

Dia 9 – Cape Cross

Logo de manhã seguimos pela C34 até Henties Bay, que fica a 60 km de Swakopmund. No caminho paramos para tirar foto de um navio naufragado na costa e depois seguimos até Cape Cross. Além da cruz erguida por Diogo Cão, o primeiro desbravador português a chegar por essas bandas em 1486, em Cape Cross você poderá ver milhares de focas barulhentas, fedidas e super fofas!

Focas fedidas de Cape Cross

Quanto Custa

A entrada custa NAD 80,00 ou USD 5,90 por pessoa + NAD 10,00 ou USD 0,70 referente ao carro.

Depois seguimos até o Skeleton Coast Park. A Costa do Esqueleto, em português, se extende por 500 km entre Ugab River, no sul, até Kunene River, ao norte. A costa costumava ter alguns navios naufragados, mas a areia e o vento dos últimos anos acabou encobrindo e desgastando os mais visíveis. Nós chegamos somente até o portão e voltamos. A própria moça da entrada nos disse que não valeria a pena. E como tínhamos estrada pela frente, acabamos desistindo de dirigir por lá. A entrada para o parque custa NAD 80,00 ou USD 5,90 por pessoa. O portão de acesso fecha às 17h.

Portão de entrada do Skeleton Coast

Onde nos Hospedamos

Dormimos novamente no Sophia Dale Base Camp. Pagamos NAD 130,00 ou USD 9,50 por pessoa, para acampar.

RESUMO DO DIA: milhares de focas fofas, barulhentas e fedidas 😷  Cape Cross foi a atração mais fedida de nosso roteiro de 15 dias pela Namíbia…hehe.

Dia 10 – Spitzkoppe

Saímos bem cedinho de Swakopmund e seguimos pela B2 por 120 km até pegarmos a D1918 e depois a D3716 para Spitzkoppe. Sempre tentamos fugir das estradas classificadas como “D”, pois normalmente são as mais esburacadas e mais difíceis de dirigir com o Uva. Mas os 30 km (passando por duas D’s) até Spitzkoppe até que foram tranquilos.

A cadeia de montanhas de mais de 700 milhões de anos tem até um pico chamado Pão de Açúcar (Sugarloaf). Depois nós seguimos pelas cidades de Usakos, Karibib, Omaruru e Outjo (pelas rodovias B2, C33 e C38 – todas asfaltadas) até chegamos no portão Anderson do Etosha National Park.

Spitzkoppe

Onde nos Hospedamos

Dormimos no Taleni Etosha Village Campsite, do lado de fora do parque. Pagamos NAD 150,00 ou USD 11,00 por pessoa, para acampar. Contato do Taleni Etosha Village Campsite: +264 67333413

RESUMO DO DIA: vimos o Pão de Açúcar da Namíbia 🇳🇦❤️

Dia 11 – Etosha

Acordamos de manhã e seguimos até o portão Anderson do Etosha, que abre às 6h30 da manhã. Fizemos nosso primeiro self-drive safári, que nada mais é do que fazer um safári com seu próprio carro pelo parque. Vimos gnus, raposas, muitos veados, girafas, zebras e elefantes. No Etosha nós nos sentimos mais em casa com o Uva. Vimos desde Golfs, Polos, Fiestas e vários outros carros menores circulando pelo parque.

Quanto Custa

A entrada para o Etosha National Park custa NAD 80,00 ou USD 6,00 por pessoa mais NAD 10,00 ou USD 0,75, referente ao carro. Os portões se abrem ao nascer do sol e se fecham quando o mesmo se põe. Nós fizemos um self-drive safári, mas se você quiser fazer um safári com o pessoal do parque, naqueles veículos apropriados e mais altos, basta pagar uma taxa de NAD 650,00 ou USD 48,00 por pessoa. E para os safáris da manhã e do fim do dia você precisa estar hospedado dentro do parque, pois os mesmos ocorrem antes e depois da abertura dos portões para o público em geral.

Onde nos Hospedamos

Dormimos novamente no Taleni Etosha Village Campsite, do lado de fora do parque. Pagamos NAD 150,00 ou USD 11,00 por pessoa, para acampar. Esse foi um dos campings mais bacanas de toda a viagem! Super estruturado, com churrasqueira, piscina e banheiro com chuveiros duplos, um luxo!

RESUMO DO DIA: o temperatura do Uva subiu muito, a luz de emergência se acendeu e tivemos que ligar para a locadora. O pessoal da oficina nos levou até o camping e levou o Uva para a revisão 😞

Dia 12 – Etosha

Esperamos a manhã toda pelo conserto do Uva. Depois de certo desconforto conseguimos pegar o carro de volta a tempo de fazer mais um safári. Vimos girafas, elefantes, zebras e novamente: centenas de veadinhos.

Onde nos Hospedamos

Dormimos no Gondwana Etosha Safari Camp, do lado de fora do parque. Pagamos NAD 175,00 ou USD 13,00 por pessoa, para acampar. Contato do Gondwana Etosha Safari Camp: +264 61427200

RESUMO DO DIA: meio dia perdido aguardando o Uva e nada de leões nos safáris por enquanto 😭

Dia 13 – Etosha

Mais um dia acordando cedo para tentar ver um leãozinho no safári. O Etosha foi estabelecido como Game Reserve No 2 em 1907, com seus originais 90.000 km2, a maior reserva natural do mundo. Porém, com o passar dos anos as fronteiras foram diminuindo e hoje o parque possui 22.912 km2. Em 1958 o parque foi renomeado como Etosha National Park e ganhou o status de parque nacional em 1967. São 114 espécies de mamíferos, incluindo leões, leopardos, rinocerontes brancos e pretos. Sendo este último ameaçado de extinção 😔

Hoje foi dia de sorte: vimos um grupo de leoas logo no início do parque. Mas só! Depois nem sinal de leões, tampouco os rinocerontes que nós estávamos ansiosos para ver. Mas em compensação vimos zebras, gnus, girafas e até um elefante. Deixamos o Etosha por volta das 15h e seguimos até a cidade de Grootfountein. No caminho do camping paramos para ver o lago Otjikoto, só porque ele estava no meio do caminho.

Leoa no Etosha

Onde nos Hospedamos

Dormimos no Pondoki Rest Camp. Pagamos NAD 120,00 ou USD 9,00 por pessoa, para acampar. Um camping super fofo com piscina, jacuzzi e o melhor café da manhã da viagem por NAD 75,00 ou USD 5,50 por pessoa 😋   Contato do Pondoki Rest Camp: +264 813106795

RESUMO DO DIA: vimos um grupo de leoas!

Dia 14 – Caprivi

No penúltimo dia do nosso roteiro de 15 dias pela Namíbia nós exploramos parte do Caprivi, que fica na parte norte do país. Se você olhar para o mapa da Namíbia, lá em cima, aquela “tripinha” entre Angola, Botswana e a Zâmbia é a chamada região de Caprivi. Esta parte do país não pertencia à Namíbia até a ocupação alemã, mas foi reivindicada devido ao interesse alemão no acesso ao rio Zambeze.

Partimos bem cedo em direção a Rundu e depois Divundo. Nesta parte da Namíbia a paisagem muda completamente, se torna mais verde (e olha que lá estivemos no período da seca).

Conhecemos a Popa Falls, que na verdade não tem muito de fall (cachoeira), está mais para uma corredeira de água doce. Que não deixa de ser bacana para dar uma refrescada no calorão. Depois fomos fazer um self-drive safári no Mahango, que faz parte do Bwabwata National Park, formado em 2007. Elefantes, zebras, girafas, búfalos, hipopótamos, antílopes, leões e leopardos são os animais mais vistos no parque.

Obs.: é somente na região do Caprivi que você consegue ver búfalos na Namíbia.

Elefante no Caprivi

Quanto Custa

A entrada para o parque custa NAD 50,00 ou USD 3,70 por pessoa, mais NAD 10,00 ou USD 0,75 referente ao carro.

Onde nos Hospedamos

Dormimos no Mukuku Rest Camp. Pagamos NAD 100,00 ou USD 7,50 por pessoa, para acampar. Contato do Mukuku Rest Camp: +264 812456633

RESUMO DO DIA: vimos vários hipopótamos e um búfalo – animais que ainda não tínhamos visto.

Dia 15 – Hoba Meteorite

Na noite anterior nós ouvimos um tiro enquanto estávamos montando a barraca. A polícia do lado angolano do rio atirou em um hipopótamo enquanto faziam uma busca por uma criança de 3 anos que havia se perdido no leito do Okavango, o rio que forma uma fronteira natural entre a Namíbia e Angola. Felizmente a criança foi encontrada, mas não temos a mesma certeza quanto ao hipo.

Em nosso último dia de nosso roteiro de 15 dias pela Namíbia, no caminho de volta, nós passamos pela cidade de Grootfountein para ver o Hoba Meteorite, o maior meteoro que existe hoje em nosso planeta. Ele pesa aproximadamente 60 toneladas e mede 2,95 x 2,84 metros. Estima-se que ele tenha caído na terra há mais ou menos de 80.000 anos e que ele tenha entre 190 e 410 milhões de anos de idade. Essas são análises que foram feitas com base nos minerais encontrados no Hoba, que é composto de 82,4% de ferro, 16,4% de níquel, 0,76% de cobalto, entre outros minerais. Ele foi descoberto em 1920 e declarado monumento nacional em 1955. Desde 1985 o local tem se esforçado para proteger o meteoro contra a ação de vândalos.

Hoba Meteorite

Quanto Custa

A entrada para o parque custa NAD 50,00 ou USD 3,70 por pessoa.

Esses foram nossos 15 dias percorrendo a Namíbia com o Uva, um Peugeot 107 não muito apropriado, digamos assim. Mas o que importa é que o valor de sua locação custou bem menos e ele nos levou para conhecer o país todinho, de Norte a Sul. Tivemos o transtorno do pneu furado, do atolamento e do motor que super aqueceu graças a uma mangueira do radiador que furou. Mas este último problema poderia ter acontecido com qualquer modelo de veículo.

Nosso roteiro de 15 dias pela Namíbia

Nosso roteiro não foi o mais lógico e sim o mais adequado, por conta do Uva. Com um veículo 4×4, ou simplesmente mais alto que um veículo normal, daria para fazer um roteiro mais otimizado e com certeza teríamos incluído a região de Twelfonteim.

Veja no mapa abaixo uma ideia do roteiro que fizemos. Como o Google Maps possui uma limitação de destinos a incluir, neste esboço abaixo ficaram de fora alguns destinos que visitamos:

Custos

Em nosso roteiro de 15 dias pela Namíbia, nosso total de gastos foi de USD 52,50 por pessoa, por dia. Este valor inclui absolutamente tudo, desde locação do veículo, gasolina, hospedagem, comida, entradas nos parques, cerveja e etc.

Os valores mais consideráveis foram estes:

  • Locação do veículo: USD 27,35 por dia;
  • Combustível: USD 21,33 por dia;

💰  Valor total gasto USD 1.575,00.

Dica

Uma dica para quem quiser economizar em sua viagem pelo país é acampar! Em nosso roteiro de 15 dias pela Namíbia nós pagamos em média NAD 130,00 ou USD 9,50 por pessoa, para acampar. Os campings são, via de regra, muito bem estruturados, com banheiros limpos, churrasqueiras e muitas vezes até piscina, para uso e felicidade geral da nação 😃

Sem contar que viajamos pelo país na alta temporada e não fizemos nenhuma reserva antecipada. Mas sempre encontrávamos um camping com disponibilidade para montarmos a barraca. Já os lodges estavam sempre lotados.

Além de tornar a aventura ainda mais bacana, acampar te trará uma economia de até 70% nos gastos com hospedagem. Já que por aqui não há meio termo, ou você acampa ou fica hospedado em lodges, muitos deles luxuosos. Mas se o seu orçamento for mais generoso, maravilha. Aproveite! Vimos lodges belíssimos por todo o país.

Comida

Frutos do mar, carne de caça (zebras, gnus, empalas,etc), até restaurantes italianos e cozinha alemã. Tem de tudo, para todos os gostos e bolsos.

Em nosso roteiro de 15 dias pela Namíbia nós bebemos cerveja todo dia e comemos bem sempre que deu. Mas como sempre tentamos economizar, alguns dias nós passamos na base do pão com queijo mesmo. Quem nunca!?

Mas vale ressaltar que os preços para alimentação dentro dos parques (e nas cidades em geral) não são abusivos, muito pelo contrário. Um prato com carne, salada e mais um acompanhamento custa em média NAD 130,00 ou USD 9,50. E o preço médio da cerveja é de NAD 30,00 ou USD 2,20 para 500 ml. Nada mal!!!

Gostou do nosso roteiro de 15 dias pela Namíbia? Ainda hoje poucas informações sobre Namíbia estão disponíveis na internet. Por isso escrevemos essa sequência de posts sobre as nossas andanças pelo país. Esperamos que nossos relatos possam ajudar outros viajantes 😊

🌎  Acompanhe nossa viagem de volta ao mundo através de nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/casalwanderlustoficial

4 comentários sobre “Mochilão: Roteiro de 15 dias pela Namíbia

  1. Bruna Barbosa

    Gente, eu fico super feliz que vcs tenham passado todos esses perrengues antes de nós! =D Post super útil!!!!
    Fiquei só com uma dúvida: vcs compraram a barraca?
    Bjo grande!

    1. CASAL WANDERLUST Autor da Postagem

      Olá Bruna, tudo bem?
      Obrigada pela mensagem!!!
      Nós conseguimos emprestar a barraca. Mas em Windhoek vimos umas ótimas sendo vendidas por R$ 100,00.
      Em nossa opinião, vale a pena deixar para comprar a barraca em Windhoek – é beeeeem mais barato que no Brasil.
      Beijos!

      1. Bruna Barbosa

        Oi Camila e Lázaro! Só mais uma pergunta: de lá vcs foram pra onde? E como? Nós estamos pensando em ir até Vic Falls e vi que vcs foram também. Queria saber se vcs foram de carro. Estamos pensando em fazer isso, mas queria ver se vcs tem dicas! (vale um post, inclusive!) Bjo

Deixe uma resposta