Casal Wanderlust

Nepal: Os encantos de Kathmandu

Amor a primeira vista! Este foi meu sentimento ao chegar em Kathmandu em Abril de 2014. Cultura milenar, gente simpática, belíssimos templos misturando budismo, hinduísmo e até o Kama Sutra (falarei mais adiante…rsrs). A capital do Nepal ganhou meu coração! Mas já vou falando logo do fato mais curioso que vi ao andar pelos bairros da periferia: pés de maconha crescendo no meio da rua! Isso mesmo, vou explicar:

A maconha no Nepal

Curiosidade KathmanduHerb

Calma! O consumo da droga não é livre no Nepal. A maconha só cresce livremente por alguns lugares mais afastados pois é considerada sagrada para os Sadhus (esses aí da foto mais abaixo). Ela é liberada somente para uso em rituais religiosos e típicos. E reza a lenda que eles só estariam imitando Shiva, que também fumou a erva durante sua passagem por Kathmandu.

Sadhus

Sadhus são homens que abdicam da vida material para viverem reclusos em cavernas e templos. Mas existem os que ficam pelos locais turísticos para ganhar um dinheirinho – esses ai da foto, por exemplo…rs. 

Mas “Marijuanas” à parte, listarei aqui os encantos da cidade. E que fique claro que não foi pela maconha, visto que eu nem fumo…hahaha. Vamos lá:

Boudhanath

Distante 11 km do centro está a Estupa Boudhanath. Um dos monumentos budistas mais sagrados de Kathmandu e que desde 1979 pertence a lista de patrimônio mundial da Unesco.

Boudhanath é o templo budista tibetano mais sagrado do mundo fora do Tibet e também uma das maiores estupas semi-esféricas do mundo!

Estupa é um monumento construído sobre os restos mortais de uma pessoa importante dentro da religião budista.

Boudhanath

As três Durbar Squares do Vale Kathmandu

Aqui fica um pouquinho confuso…rs. Mas o fato é que existem três Durbar Squares (Praças Reais) no chamado Vale Kathmandu: uma delas fica em Kathmandu, a outra fica em Patan e a terceira em Bhaktapur. Todas elas são patrimônios mundiais da Unesco.

Durbar significa palácio. Durante muito tempo o Nepal foi formado por pequenos reinos independentes e os reis mandavam construir essas praças enormes perto de cada palácio. Todas as praças são cheias de templos, fontes, estátuas, etc. Vou falar de cada uma delas:

1 – Kathmandu Durbar Square

Pertinho do centro está a Kathmandu Durbar Square, bem no coração da cidade.

Kathmandu Durbar Square

Imagem da internet – não achei nenhuma foto bacana tirada por mim…rs

Um fato curioso é que você paga para visitar todas as praças, algo entre USD 7.00 e 12.00. Porém, se você precisar atravessar a praça frequentemente ou se estiver hospedado por ali, há uma solução para não ter que pagar toda vez: ir ao Centro de Turismo para fazer uma espécie de carteirinha que te autorizará a andar por lá sem ter que pagar toda hora. Afinal, pagar em dólar a cada ida e vinda não rola, né?

2 – Patan Durbar Square

Localizada na cidade de Lalitpur, a uma distância de 5 km da Kathmandu Durbar Square, está a Patan Durbar Square. Um manhã inteira é bem suficiente para andar por toda a praça.

Durbar SquareArquitetura Kathmandu

Durbar Square Patan

3 – Bhaktapur Durbar Square

Também bem próxima a Kathmandu, a uma distância de 13 km a leste, está a Durbar Bhaktapur Square. O complexo é bem grande e composto por quatro praças distintas: Durbar Square, Taumadhi Square, Dattatreya Square e Pottery Square. Se puder reserve um dia inteiro só para este lugar incrível, você nem vai sentir o tempo passar.

Bhaktapur Durbar Square

Durbar Square

Pottery Square

Pottery Square, onde são feitos os tradicionais potes de cerâmica

Taumadhi Square e Dattatreya Square

Taumadhi Square e Dattatreya Square

Bhaktapur

Detalhes da arquitetura

Note na foto abaixo as figuras do Kama Sutra talhadas em madeira nas paredes do templo. Isso mesmo, você leu direitinho: T-E-M-P-L-O! Tem putaria talhada na parede do templo siiiim! rsrs.

Dentre as várias explicações, há quem diga que gravar imagens eróticas fora do templo é um convite para deixar as impurezas do lado de fora quando entrar. Será? Vá saber, né? Mas a verdade é que o sexo é considerado sagrado em diversas culturas.

Kama Sutra

Imagens do Kama Sutra nas paredes do Templo

Pashupatinath

Uma das experiências mais incríveis que pude vivenciar nesses dias que passei no Nepal: acompanhar uma cerimônia de cremação hindu no Templo Pashupatinath.

Foi uma experiência tão incrível que fiz um post específico sobre, veja aqui.

Nagarkot

Na volta de Bhaktapur vale uma paradinha em Nagarkot para apreciar o pôr do sol com vista para o Himalaia:

Nagarkot

Swayambhunath (Monkey Temple)

Complexo religioso budista e hindu a oeste de Kathmandu. Também conhecido como Templo do Macaco (em inglês: Monkey Temple), devido a uma colônia de macacos considerados sagrados que moram por ali.

Swayambhunath

E tem mesmo macaco por lá?

Opa! Num pequeno vacilo lá se foi minha garrafa de água:

Swayambhunath Monkey Temple

Buddha Park

Quem me conhece sabe que quanto mais colorido for, mais eu AMO! Então nem preciso falar muito sobre o Buddha Park. Esse lugar lindo que fica perto Swayambhunath. São três estátuas de Buda gigantes, lindas e COLORIDAS!

A entrada para o parque dos três Budas é livre.

Buddha ParkÉ Muita beleza, muita cor e muito amor:

Buddha Park Kathmandu

Thamel

O centro da doidera, dos mochileiros, dos trekkers e dos turistas do mundo todo. Thamel é um centro comercial no meio de Kathmandu, onde estão situados muitos albergues, agências de turismo que vendem os mais variados passeios, lojas de material de trekking e barraquinhas que vendem de tudo! Quem não se perder pela Thamel não pode dizer que visitou Kathmandu…rs.

Nepal Handicraft

Thamel

Artesanatos vendidos na Thamel

O povo Nepalês!

Estive em Kathmandu um ano antes do terremoto que destruiu boa parte da cidade em 2015. E é justamente por isso o Nepal está no roteiro de nossa viagem de volta ao mundo que acontecerá em 2017. Faço questão de voltar para este lugar tão incrível para viver novamente, mesmo que por pouco tempo, perto desse povo que tem sempre um sorriso largo guardado para oferecer às pessoas que visitam sua terra.

Nepal People

O Everest

Não, não escalei o Everest. Primeiro porque não tenho condições físicas para tal e também porque a escalada custa em média USD 50.000! É muuuuuito dinheiro para essa podre viajante que vos escreve. Mas sobrevoei a cordilheira do Himalaia e tive uma visão bacana do Everest. Porém, para não me alongar demais por aqui, fiz um post exclusivo contanto tudinho como foi.

Veja aqui: Sobrevoando o Everest!

14 comentários sobre “Nepal: Os encantos de Kathmandu

  1. tikdeviagem

    que viagem incrível essa, adoro as viagens de vocês para lugares exóticos, tenho muita vontade de sair da rota Estados Unidos e Europa, ainda vou! Fiquei super curiosa para conhecer o Nepal.

  2. Roteiros Inesqueciveis

    Camila, amei o post! Sempre me interessei pelo budismo e por essa região do planeta. Infelizmente o contato mais próximo foi em templos aqui no Brasil e esse post apenas ratificou minha vontade para fazer uma viagem por esse pedacinho da Ásia. Fantástico! Ah, sem falar que as curiosidades como a maconha e as inscrições no templo são demais!
    Grande beijo!

  3. Dhebora Sancho

    Camila, que fantástico esse post! Tenho muita vontade de conhecer essa região e entender um pouco mais sobre o budismo! Acho tudo tão impressionante e cheio de energia! Post liiiindo demais!

  4. Livia Melo - Viagens & Menus

    “Tem putaria talhada na parede do templo siiiim”, hahahahahahahaha, MIACABEI! Olha, Kathmandu sempre me chamou atenção pelo nome.. Sei lá, gosto como soa, Kathmandu. Kathmandu. É legal de falar! Mas depois de ler o seu post, vi que é também um lugar incrível para se conhecer! Adorei, já quero ver novamente na sua próxima viagem!!

  5. Mariliza Domingos

    Uau.. tinha outra visão do Nepal, bem interessante a matéria, viajei com você nessas cores e que buda gigante hein?… Legal conhecer novas culturas e o curioso plantio da maconha. .. Ah sobre Everest nem de graça iria hahaha.. medo! Adorei o post bjss

Deixe uma resposta